3.25.2014

Dormência

Caminho sem rumo,
Comecei ainda o dia ainda não tinha emergido,
Agora, a escuridão já envolve as formas.
Os músculos ameaçam ceder com tremores indolores.
Indolor.
Abala-me este anestésico estado em que me encontro,
Falta-me dor.
Rapidamente percebo que estou errado,
Esta não me desocupou,
Preenche-me.
Sou pedaço de dor,
Há tanto tempo que me é indiferente.
Os tremores aumentam,
Não irei resistir mais tempo.
Recosto-me à primeira árvore que encontro,
Deixo que o cansaço se apodere de mim.

Hoje descansarei, o sonho não me irá percorrer.






Sem comentários:

Enviar um comentário