7.04.2014

Exponencial

A solidão abalou-me.
Não de rajada,
Mas entranhando-se de mansinho.
Sei,
Algures no meu inconsciente consciente,
O fim que me espera.
Não me apoquento.
Até lá a solidão será a minha fiel companheira.
Ouvirá as lamurias em noites escuras,
Enxaguará as lágrimas causadas por dores de alma,
Acompanhar-me-á por ruas vazias.
Cresce o vazio de outrora,
Este que há muito desapareceu sem avisar.
E assim se rege neste exponencial desencanto de existência.

Sei.