2.17.2014

Arquivo I

Tive um sonho
Não de liberdade, de dor.
O ar tornou-se rarefeito,
Todo o meu corpo é água
E a temperatura não para de subir.
Tento acalmar-me mas rápido me apercebo que é impossível
Espero que a dor me consuma rápido,
Num gesto singelo.
Tem-me no seu regaço,
Deixo-me embalar de novo pela excruciante realidade.

Um novo dia virá!

Sem comentários:

Enviar um comentário