2.16.2014

Devaneios

Perco-me,
Em cada esquina da minha alma quebrada, 
Nas memórias que outrora foram mais que imagens perdidas no tempo.
Deixo que me afoguem 
Como mar tempestuoso sedento de vida.
"Leva-me", suspiro
À medida que a imensidão me consome, sorrio,
Resta-me apenas que o pensamento me deixe

E me desole, neste devaneio que nada passou do nada.



Sem comentários:

Enviar um comentário